sábado, 31 de outubro de 2009

NO PEQUENO NICHO O PODER É ILUSÃO - LÍBANO MONTESANTI CALIL ATALLAH



NO PEQUENO NICHO O PODER É ILUSÃO


Nos limítrofes dos muros da entidade estão os convivas da associação que os congrega. Há burburinhos de discórdias? Prejuízo certeiro.
No menor grupo, o de dois seres, um também lidera, prevalece.
O cérebro que gera, invejado, engole e esconde em suas veias o fruto que deveria produzir. Mas no que a natureza lhe permite tudo está feito, as idéias foram elaboradas, resta saber se junto estarão os que executam. O óbvio é o lucro para todos.
Corriqueiramente vemos o descaso dos que bem poderiam executar ficarem no aquém de desejável. Normal e sem hierarquia esta sociedade apenas beneficiaria a todos. Príncipe é o nobre que aceita sem espernear. Gerando, executando ou produzindo conforme sua obrigação.
A função do outro não é a sua.
Então se formos pelo comum do comum, diz-se corriqueiramente, futilidades não faltarão, transbordarão disputas mesquinhas, sobrando ao fruto consumível apenas a inexistência.
Improdutivamente operando a entidade inapta tende a inexistir.
Então para que avaliarmos o tamanho da referida casa se tanto faz, pois o pensamento nos revela tanto inaptidão como incapacidade, podendo então esta ser também do tamanho do planeta. Que importa?
O poder não nos reserva nenhuma felicidade. A sensação de reinado é pura ilusão, psicose comum. A disputa pelo cargo do eleito é inócua, sentar-se no trono é apenas divertido justamente por que quem reina é sempre a maioria.


Líbano Montesanti Calil Atallah
Professor
libanoatallah@terra.com.br


Líbano Montesanti Calil Atallah

tvartponto